domingo, 31 de julho de 2011

O homem e o sentido da vida

Existe um sentido para a vida humana ou tal sentido é uma busca desesperada feita pelo homem? A grande questão é: existe um propósito para a humanidade ou a humanidade busca um propósito por não aceitar a ausência de sentido (propósito)?

O ateu entende, de forma pura e simples, que a vida tem começo, meio e fim. (lembram-se daquela definição pueril de árvore: “a árvore é um ser vivo que nasce, cresce e morre...”?) Simplesmente assim! Como a vida surgiu? Ele acredita que não é resultante de um propósito, afinal divindades não existem. Não há que se falar em criador e criatura. Para o ateu a vida tem algum sentido? O que seria sentido neste caso?

É confusão permanente acreditar que a vida só tem sentido quando ligada ao dueto criador e criatura. Sentido só existiria (para muitos) no caso de haver algo para além do túmulo. É claro que existem criacionistas que acalentam convicção de que o criador parou por aí mesmo: apenas criou...

Não é certo pensar que para o ateu não existe sentido para a vida humana. Existe um sentido diferente daquele advogado pelos criacionistas. A própria preservação da vida, até o ponto possível, é motivo para lhe dar um sentido (seria mesmo “sentido”?). O senso de fraternidade em favor da raça humana, por si só, é um nobre sentido. Mesmo o ateu acreditando que não houve criação específica como creem, em especial, os cristãos, ele (o ateu) não busca sentido para a vida. Bem diferente disso: ele, quem sabe, tenta dar sentido à vida...

Não estaria aí um esplêndido diferencial? Enquanto os criacionistas buscam sentido para a vida, o ateu não estaria tentando, simplesmente, outorgar sentido à vida que lhe veio, sabe-se lá de qual forma?

Deixarei o assunto, como sempre,  “em aberto”, pois pretendo (sempre) refletir mais um pouco. Concentrar-me-ei no parágrafo acima.

Enéias Teles Borges 
Postagem original: 19/10/2009

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Os evangélicos e o homossexualismo

Brasileiros que se declaram protestantes ou evangélicos são o setor mais resistente na sociedade à união de casais do mesmo sexo, aponta pesquisa inédita divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Ibope Inteligência. O segmento apresentou o maior percentual de pessoas contrárias à união --77% contra 23% de favoráveis --, que, em junho, foi aprovada pelos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

A pesquisa nacional, realizada entre os dias 14 e 18 de julho, apontou que 55% dos brasileiros são contrários ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, e 45% são favoráveis. Na segmentação por religiões, além dos protestantes, católicos e ateus ou sem religião se mostram bastante divididos em relação ao tema: 50% de católicos se disseram a favor da união, e 50% contra, enquanto, entre os ateus, esses índices ficaram em, respectivamente, 51% e 49%. Entre os entrevistados que se definiram adeptos de “outras religiões”, o índice de favoráveis à união homoafetiva foi maior: 60%, diante dos 40% de quem é contra.

Leia mais no Universo Online.

Nota: É evidente, também, que os evangélicos são mais ligados à tradição familiar "normal". Como poderiam concordar com uma união condenada explicitamente pela Bíblia? Precisamos tomar cuidado com este tipo de notícia. Pode gerar intolerância e confrontos...

Enéias Teles Borges

terça-feira, 26 de julho de 2011

Ateísmo e teísmo: lucro ou prejuízo?

Existe uma diferença significativa entre “perder” e “deixar de ganhar”. Perdedor é aquele que, tendo a propriedade de algo, por qualquer motivo deixa de ser o dono. Deixar de ganhar é diferente pois ainda não existe a propriedade, que poderia ser conseguida ou não.

Partindo desta premissa volto ao assunto ateísmo e teísmo. O teísta que crê num deus pessoal entende que possui a salvação em mãos, pois o mérito foi alcançado pelo salvador pessoal que morreu por ele na cruz. O que pode ocorrer a este religioso? Perder aquilo que possui de forma graciosa.

E no que diz respeito ao ateu? Ele não acredita na possibilidade de existência de um deus pessoal e, logo, não acredita na possibilidade de salvação pelos méritos de um ser que deu a vida em seu lugar.

Quem perde e quem deixa de ganhar? Há mesmo o que perder? Existe o “deixar de ganhar”?

Mais uma vez a situação do ateu nos parece mais confortável. Vejamos: no caso da existência de um deus pessoal o que o ateu perde? Nada! Ele apenas deixaria de ganhar o que sequer acreditava existir. Ainda lhe restaria um consolo: sendo esse deus pessoal um ser de extrema justiça poderia, inclusive, levá-lo para o lar eterno. Afinal o ateu cresceu sob o julgo de uma lei moral que ele desconhecia ou cria não existir, correto?

O religioso, porém, vive uma situação complicada. Vejamos: existindo o deus pessoal ele, o religioso, teria que viver à altura da expectativa do deus pessoal, aceitando-o e permitindo que ele realize o “querer e o efetuar” na sua vida de crente. Por outro lado existe a possibilidade de tudo não passar de uma ficção, isto é, não existindo um deus pessoal, certo? O religioso teria imensa decepção ou, caso tenha morrido, jamais ressuscitaria...

Em resumo:

O ateu tem a chance de conviver com o lucro pois nada tem a perder e se ele, o ateu, não for detentor da verdade ainda poderá contar com a justiça e amor do deus que ele não conheceu ou reconheceu. Caso o deus de amor não lhe dê o paraíso o que mudaria para ele, que sempre acreditou na impossibilidade de salvação?

O mesmo não ocorre com o teísta que acredita na existência de um ser pessoal. Ele pode ser salvo ou se perder, junto com muitos, no caso da existência desse ser. E ainda conta com uma agravante: no caso da inexistência desse ser ele morreria e seria “fim” eterno, conforme hoje acredita o ateu.

O ateu está preparado para o fim e aceitará de bom grado o que lhe vier de graça. E o religioso? Está preparado para a decepção? Quem hoje pode dizer que convive com o lucro ou com o prejuízo? O ateu ou o teísta?

Enéias Teles Borges
Postagem original: 02/09/2009

sexta-feira, 22 de julho de 2011

O filósofo Pondé, o Ateísmo e o Teísmo

A revista Veja da semana passada (13/7) publicou entrevista interessante com o filósofo Luiz Felipe Pondé, de 52 anos. Responsável por uma coluna semanal na Folha de S. Paulo e autor de livros, Pondé costuma criticar certezas e lugares-comuns bem estabelecidos entre seus pares. Professor da Faap e da PUC, em São Paulo, o filósofo também é estudioso de teologia e considera o ateísmo filosoficamente raso, mas não é seguidor de nenhuma religião em particular. Pondé diz que “a esquerda é menos completa como ferramenta cultural para produzir uma visão de si mesma. A espiritualidade de esquerda é rasa. Aloca toda a responsabilidade do mal fora de você: o mal está na classe social, no capital, no estado, na elite. Isso infantiliza o ser humano. Ninguém sai de um jantar inteligente para se olhar no espelho e ver um demônio. Não: todos se veem como heróis que estão salvando o mundo por andar de bicicleta”. Sobre sexo, ele diz: “Eu considero a revolução sexual um dos maiores engodos da história recente. Criou uma dimensão de indústria, no sentido da quantidade, das relações sexuais – mas na maioria elas são muito ruins, porque as pessoas são complicadas.”

Recomendo a leitura de todo o texto em Criacionismo.

Nota: Como sabem eu sou agnóstico teísta. Fiz faculdade de Teologia e sou de tradição cristã conservadora. Migrei para o agnosticismo. Os argumentos contemporâneos do cristianismo colaboraram para isso. Eu precisaria fazer uma releitura do Criacionismo Cristão. Ocorre que isso é muito difícil. Nos tempos atuais existe o exercício permanente da má-fé. Como reestudar se tudo o que havia de original foi mexido por descuito, culpa ou dolo? A mudança de pensamento de Pondé me estimula a continuar tentando...

Enéias Teles Borges

Cuspindo fogo

O "cuspe" solar amedronta, mesmo quando sabemos que o sol está cumprindo o ciclo de onze anos - que lhe é peculiar. Basta uma rápida mudança no sol, para que a terra sofra horrores. Nossa limitação é microscópica. Não nos adianta apegar à ciência, que de nada nos servirá, no caso de uma atividade solar devastadora. Pouco sabemos sobre o astro rei, mas sabemos bastante acerca de nossa pequena significância.

"A Nasa divulgou neste domingo (8) foto que mostra erupções magnéticas no Sol na última semana (as cores foram tratadas para facilitar a identificação das erupções). Ele não ficava tão ativo desde 2001. " A foto acima ilustra e é da mesma fonte jornalística do texto.

"Erupções criam tempestades de partículas carregadas que atingem a Terra. Quando chegam, fazem brilhar o céu das regiões polares.  Elas devem aumentar até 2013 (a atividade solar segue um ciclo de cerca de 11 anos). O astro está acordando, após anos de calmaria. "


Nota: Os que acreditam numa terra que será renovada depois do "milênio" não temem. Acreditam, até, que o sol "queimará" para sempre e o fará de maneira a proporcionar, ao nosso planeta, um clima celestial. Quem não acredita nisso entende que o sol tem bilhões de anos pela frente e depois virá o fim ou sua transformação. Transformação ou fim do sol. Qualquer uma delas representará o fim da vida na terra. Isso se o sol (antes) não destruir a vida terrestre, cuspindo fogo que nos alcance...

Enéias Teles Borges

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Você é um idiota da internet?

Li hoje no "The New York Times" uma reportagem que revela o custo de se comportar como um idiota na internet. Empresas estão ganhando dinheiro fazendo pesquisas em todas as redes sociais possíveis para ajudar na contratação de funcionários. Captam até frases colocadas num fórum. Essa pesquisa acaba ajudando na decisão de contratar ou não, com base, às vezes, de alguém bêbado numa festa, fumando um baseado ou escrevendo uma piada que pode ser interpretada como preconceito contra mulher, negro ou deficiente.

Como as redes sociais são muito novas, muita gente se comporta como um idiota, expondo sua vida privada ou situações comprometedoras. Pode-se até argumentar (e com certa razão) que a vida pessoal não deveria influenciar na contratação. Mas o fato é que o que se faz na rede social está virando critério de contratação e até chance de prosperar num emprego, mas as pessoas parecem nem se importar.

Fonte: (Universo Online - Gilberto Dimenstein)

Nota: Texto oportuno. Seria interessante se todos pensassem o quanto palavras, aparentemente lançadas ao vento, podem interferir no futuro...

Enéias Teles Borges

quarta-feira, 20 de julho de 2011

No dia 20 de julho de 2011: Bodas de Prata

O dia 20 de julho é especial em nossa casa. O dia 20 de julho de 1986 marca o início do nosso casamento. Minha esposa e eu estamos completando (hoje) 25 anos de união. Na realidade nosso casamento civil foi no dia 26 de junho de 1986. Para nós a data que marca é a do casamento na igreja. A fantástica cidade de Vitória da Conquista (BA), cidade natal de minha mulher, foi o palco de nossa união.

Hoje eu me aterei a esta postagem, para marcar data tão especial.

Muitos nos perguntam qual o segredo para que um casamento chegue aos 25 anos. A resposta é bem simples e falar de amor é dizer pouco. O que faz um casamento durar é a permanente manifestação deste amor, em suas múltiplas formas. Destaco a paciência, a compreensão, a coerência e a disposição para viver centrado na família.

Salve o dia 20 de julho de 2011!

Enéias Teles Borges

terça-feira, 19 de julho de 2011

Fim da primavera gay

Durou pouco a chamada "primavera gay" na TV aberta, que culminou no primeiro beijo lésbico numa novela brasileira, em maio, no SBT. Tanto a emissora de Silvio Santos como a Globo deram nos últimos 60 dias uma guinada nos rumos da dramaturgia, e passaram a dar ordens implícitas ou explícitas a seus autores, para que baixem a bola de cenas gays nas histórias. Oficialmente, a decisão se deve a uma suposta "overdose" do tema.

Leia todo texto no Universo Online.

Nota: Finalmente um basta nesse famigerado exagero!

Enéias Teles Borges

Tudo de Deus, para você...

"Tudo de Deus, será seu, quando tudo o que é seu for de Deus." (frase atribuída ao pastor R.R. Soares, da igreja Internacional da Graça).

Nota: Tudo que é seu, quando entregue a Deus, é via igreja? A frase é bonita, surte efeito, principalmente naqueles que foram picados pela "doença" chamada de teologia da prosperidade.

Enéias Teles Borges

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Qual a religião verdadeira?


Qual a religião verdadeira? A minha, a sua ou a dele? Todas são verdadeiras. Afinal o Deus da minha, da sua e o da dele, não permitiria que ficássemos na religião falsa, certo?

Não é maravilhoso viver com a verdade “exclusiva”?

Enéias Teles Borges

domingo, 17 de julho de 2011

Napoleão Bonaparte e a religião...

Religião é uma coisa excelente para manter as pessoas comuns quietas. (Napoleão Bonaparte)

Nota: Eis aí uma verdade inquestionável...

Enéias Teles Borges

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Realidade inventada

Eu não: quero é uma realidade inventada. (Clarice Lispector)

Nota: Melhor maneira de inventar uma realidade: "fé"...

Enéias Teles Borges

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Os cristãos e a arrogância

O cristianismo merece respeito. O mesmo não vale para todos os cristãos. Existe um grupo arrogante que se arvora à condição de representante de deus na terra. Em geral considera as demais pessoas como inferiores mentais. Subestima a capacidade de ateus e agnósticos como se esses fossem idiotas. Subestima até mesmo outros cristãos. Basta que alguém comece a ler e estudar qualquer coisa ligada ao ateísmo para que vocifere: "Esse estudo afastará você da verdade..." Será que alguém é tão medíocre ao ponto de se deixar levar por algum tipo de estudo? Que cristão seria esse que mudaria de rumo ao assoprar do vento? Isso é Lamentável!

Tenho recebido conselho de alguns cristãos. Sugerem que eu deva parar com a leitura de alguns livros. Acreditam que eu me tornarei ateu por esse motivo. Subestimam a minha capacidade de discernimento. Logo eles que são teóricos de uma única fonte.

Tais cristãos comem arroz e querem arrotar caviar. Olham-se no espelho e enxergam verdadeiros leões da fé e do discernimento. Tolos! Tapados! Nada mais são do que bitolados que só enxergam um rumo: o que é forçado pela bitola.

Por essa e outras é que insisto em afirmar: o que afasta o cristão do cristianismo não é o argumento divergente e sim a estupidez de cristãos medíocres que se julgam paradigmas da fé. O que eles de fato são? Membros da FCFA (Fé Cega e Faca Amolada).

Um absurdo!

Enéias Teles Borges
Postagem original: 04/05/2010

Líderes "crocodilos lacrimejantes"

A sabedoria dos crocodilos consiste em verter lágrimas quando querem devorar. (Francis Bacon)

Nota: Líderes crocodilos lacrimejantes, carcarás sanguinolentos: eles, tais líderes exploradores da fé alheia, conseguem ser tudo isso e muito mais...

Enéias Teles Borges

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A morte é importante para quem está vivo...

No dia 31 de março de 2010 eu postei um texto com o título “a morte, a tristeza e o esquecimento”, que foi bem aceito pelos amigos leitores e é um dos mais visitados do meu blogue (link aqui). Foi feito um comentário, no dia 6 de abril de 2010, por um leitor, cuja identificação é Guedes. Andei relendo o comentário e considero que valha a pena disponibilizá-lo agora, em forma de nova postagem. São comentários, como este abaixo, que nos permitem enxergar, claramente, a postura de pessoa convicta.

“Já tive ao longo da vida (41 anos), várias experiências com a morte de entes queridos em tempos diferentes (tios, pai, mãe, sogra, amigos) e em cada época a percepção da morte foi se modificando, no inicio era medo e revolta com deus e a situação inesperada, nos outros, conforme fui ficando "menos religioso", a aceitação e conformação foi mais fácil, só ficava saudade das pessoas, nenhuma revolta e quase nenhum medo, pois ficou claro que não teria a quem reclamar sobre o ocorrido e também não haveria motivo para medo pelo o que a pessoa poderia estar sentindo estando morta, ou o que eu sentirei quando morrer, pois ficou tudo bem mais natural, acreditar que tudo termina e se por acaso não terminar, não deverá ser ruim, pois antes de nascermos não sentíamos nada, já que não existíamos e quando morremos, deixamos de existir novamente. Quem sabe nosso "eu", consciência não seja como um programa de computador (personalidade) mais os dados (experiências) e quando morremos, seria quando o computador fosse desligado ou trocado e ficamos inertes no HD. Mesmo que este HD nunca mais seja usado, ficamos lá, se o HD for definitivamente destruído, não fará a menor diferença para o estado que estamos (inertes), ou seja, a morte só é importante para quem está vivo, tão logo morremos ela é insignificante. Uma coisa eu tenho certeza: inventamos deus e a religião pelo temor da morte, se esta não existisse, nem o sofrimento, estes conceitos sobrenaturais não existiriam.”

Nota: Grifos acrescentados.

Enéias Teles Borges

terça-feira, 12 de julho de 2011

Carcarás sanguinolentos


O carcará é um gavião temido. No nordeste do Brasil é comum atribuir a alguém muito violento o apelido de “carcará sanguinolento”. Tal apelido também é atribuído ao diabo, o anjo caído.

Existem alguns tipos de líderes religiosos que podem, perfeitamente, ser apelidados de carcarás sanguinolentos. São esses malditos difusores da teologia da prosperidade. Os sanguinários pastores, bispos e afins, não sossegam enquanto não retiram das vítimas (fiéis) todo o sangue de que dispõem (dízimos e ofertas).

Eis uma descrição perfeita para eles: carcarás sanguinolentos!

Enéias Teles Borges

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Eles querem sangue...

Alguns “religiosos” e “profetas de plantão” gostam de oferecer ao mundo as notícias de catástrofes. Quanto mais sangue correr, melhor. Basta um terremoto ali, um vulcão em erupção lá, uma desgraça de grandes proporções e eis que eles vêm. Esquecem, contudo, de fatos impressionantes: catástrofes como as duas grandes guerras mundiais, a depressão de 1929 e grandes calamidades sobrevieram ao mundo – tudo depois que Cristo aqui esteve.

Calamidades que superem aquelas que eu citei (apenas para exemplificar), não se mostram possíveis no momento. A não ser que o Sol envie em nossa direção uma labareda como jamais vista. Quem sabe um vulcão que impeça a entrada da luz solar durante anos; ou um terremoto que devaste um continente, dificilmente o mundo verá eventos catastróficos, como as duas últimas grandes guerras, ou impacto na economia como aquele provocado pela Grande Depressão de 1929...

Eu me pergunto: o que eles querem? Infundir o medo? Sabem o que às vezes concluo? Que eles querem o retorno de Cristo. Nem tanto para salvar os justos. Querem mesmo é a morte dos ímpios. Quanto mais sangue melhor, para essas “aves de mau agouro”...

Enéias Teles Borges

Está com ressaca? Dicas importantes...

Litros e litros de água + comida gordurosa + descanso. Essa é a receita tradicional para rebater aquela ressaca infernal que acontece depois de uma noite de farra. Para você que não tem o dia inteiro para perder com dor de cabeça, boca seca, náusea e outros males do excesso de diversão, aqui vão oito itens fáceis de encontrar que devem entrar para o seu kit cura-ressaca.

Água de coco


A ressaca na manhã seguinte é um sinal forte de desidratação. Para curar isso, a água de coco é bem mais eficaz que a água. Isso porque possui os 5 eletrólitos presentes no sangue (bebidas como Gatorade possuem apenas 2 e a água mineral, nenhum), o que faz com que o corpo se reidrate mais rápido. A água de coco ainda tem açúcares, importantes na reidratação, não tem quase nenhuma caloria, 0% de gordura e ainda é gostosa.

Missoshiro


A sopa japonesa feita com missô (um fermentado de soja, arroz e cevada) ajuda na reidratação do organismo da mesma forma que a água, com a vantagem de também conter bactérias fermentadas, enzimas e nutrientes que podem ajudar na digestão. Menos vômito, mais saúde!

Soro caseiro


Outra solução para acabar com a desidratação causada pelo álcool. Na falta de água de coco e missoshiro, adicione meia colher de chá de sal e duas colheres de sopa de açúcar a dois litros de água para ajudar o corpo a se recuperar.

Cafeína


Ingrediente proibido após a balada, pois só vai te fazer ficar acordado mais tempo, uma boa xícara de café ou uma lata de Coca-cola pode fazer milagres na manhã seguinte. É que a cafeína aumenta a espessura dos vasos sanguíneos – contraídos por causa do álcool – e melhora a dor de cabeça. E ainda te dá uma acordada para começar o dia como se nada tivesse acontecido na noite anterior.

Taurina


A taurina é um ácido orgânico encontrado no fígado e também é um dos ingredientes de bebidas energéticas. Ela tem ação desintoxicante e pode até ajudar na regeneração do fígado! Como o álcool detona este órgão vital, pode incluir umas latinhas de Red Bull (sem vodca, né?) na geladeira para a manhã seguinte da esbórnia.

Mostarda


Conhecida por suas propriedades desintoxicantes e de melhoria da circulação do sangue, a mostarda pode ser melhor aproveitada se for utilizada em um banho purificador. Isso mesmo: prepare uma banheira com uma infusão de mostarda em pó (e outros sais de banho) e relaxe por alguns minutos. Dica: não coloque o condimento feito de mostarda na água do banho. Isso é nojento e não vai funcionar!

Raiz-forte


Assim como a mostarda, a raiz-forte (ou wasabi, em japonês) também é um poderoso desintoxicante. Faça uma infusão (ferva água com raiz-forte) e encha a banheira da purificação! Dá pra misturar mostarda em pó com raiz-forte, para um efeito purificante ainda maior. Só tente lidar com o cheiro do banheiro depois…

Oxigênio


Aumentar o fluxo de oxigênio no corpo faz crescer sua atividade metabólica, acelerando o processamento das toxinas do organismo – adeus ressaca! Se você não é um mergulhador, com tanques de oxigênio à disposição, tente fazer alguma atividade física – corrida, natação, academia, sexo…

(Superinteressante)

Nota: Melhor mesmo é não beber. Mas se já o fez, por que não seguir as dicas deixadas, graciosamente, pelos "especialistas"?

Enéias Teles Borges

O caminho e o atalho

Já ouviu a frase “se o caminho fosse bom não existiria o atalho”? Já ouviu a frase inversa “se o atalho fosse bom não existiria o caminho”?

O jogo de conveniência é bem assim mesmo. A frase é utilizada conforme o objetivo - algo como “se os canais competentes fossem bons” não existiria o “jeitinho brasileiro” ou então, conforme a circunstância, “se o jeitinho brasileiro” fosse bom “não existiriam os canais competentes”. É um joguinho sem graça, sem propósito justificável!

Recentemente ouvi uma historieta irritante: a da punição de uma pessoa “do baixo clero” sob o argumento de que o exemplo teria que ser dado. Quando foi flagrado alguém “do alto clero” incorrendo no mesmo erro não houve punição sob o argumento de que haveria quebra de credibilidade no sistema... Não seria justamente o contrário?

Assim vão surgindo as razões do “atalho” e do “caminho”. O conceito de atalho está inserido na frase: “os fins justificam os meios”. O caminho requer algo programado, com finalidade específica. O atalho surge por “n” motivos justos e injustos.

O caminho lembra uma calçada que percorre um gramado impecável. O atalho lembra a ausência de calçada num trecho em que foi desrespeitada a indicação “não pise na grama”. Esse atalho é bom?

Entre atalhos e caminhos reina soberana a omissão de muitos que usam o caminho quando a conveniência bate à porta. O uso do atalho segue o mesmo regramento da omissão que está em eterno plantão e permanentemente abraçada à conveniência...

O que determina se o caminho é melhor que o atalho ou o contrário é exatamente ela: a famigerada conveniência que emerge como subproduto da plantação fértil dos omissos! Aqueles pútridos seres que instam em dominar o mundo dos homens de boa vontade...

Enéias Teles Borges
Postagem original: 31/10/2008

domingo, 10 de julho de 2011

A fé e os rebeldes sem causa


A fé, quando exercitada dentro dos seus parâmetros, deve ser enaltecida. Elogios podem ser direcionados para aqueles que comungam e respeitam opiniões divergentes. A tentativa do exercício da fé substanciada por ciências tortuosas e tendenciosas é feia, praticada por pessoas que não têm um lado definido neste encontro ideológico.

O que não suporta meio termo é isto: fé é fé e prova é prova. Escolhe-se uma ou outra. Amalgamar neste campo das idéias é típico de quem pensa ser tudo e na realidade é um nada, um zero à esquerda! Usar (digo, usar mesmo!) a ciência para solidificar idéias pré-concebidas é terreno devastado, usado por aqueles que não passam de rebeldes sem causa. Não possuem a causa da fé e não detêm a bandeira da ciência. Esses pulhas que vegetam pela sociedade conseguem desagradar a todos. Envergonham os fiéis e são motivos de chacota nos centros de ciência. Biltres desprezíveis no mais "alto" nível! Escudam-se em teorias vãs, que tendo finalidades em si mesmas, não servem, sob qualquer hipótese, para contextuar as idéias absurdas por eles enaltecidas. O pior é que esses energúmenos são bem conceituados nas membresias que frequentam! Associações compostas por seres superficiais que dizem amém a qualquer afirmação. Não contestam, apenas balançam a cabeça afirmativamente, num claro sinal de anuência.

Na humildade de meu estado agnóstico teísta fico assistindo e me envergonho por ter me alinhado (um dia) com alguns desses que ainda hoje labutam como rebeldes sem causa. Eles que defendem o jogo da conveniência e do bem-estar. Os mesmos que não se aprofundam, mas ousam criticar aqueles que tentam fugir das amarras da mesmice.

A internet tornou-se campo fértil e farto para esses abutres que exploram a fé dos desvalidos. Apresentam argumentos teóricos que são revestidos de perfumaria de procedência duvidosa. Infelizmente, por possuírem olhos de médio alcance, galgam altos postos entre os de visão curta e os cegos. Servem-se da cultura religiosa secular e nadam de braçada nos rios tortuosos da fé cega e faca amolada.

Não conseguem, contudo, um título. Não são cientistas, não são pessoas de fé. São uns monstros, uns nojentos que alardeiam ideias podres que brotam de suas mentes igualmente pútridas.

São os malditos rebeldes sem justa causa!

Enéias Teles Borges
Publicação original: 17/04/2009

O verbo evoluir

O verbo evoluir tem sido usado pelos cientistas e pelos religiosos. Pelos cientistas não é novidade. Sempre viram na ciência o evoluir constante e no mesmo passo da humanidade. Em razão das recentes descobertas a religião usa (com freqüência) o verbo evoluir. Como? Readequando o pensamento religioso para que ele coadune com verdades irrefutáveis.

Surgem preocupações!

Até que ponto o evoluir do pensamento religioso afetará a tradição? Como aceitar verdades alocadas pela ciência sem colocar por terra alguns conceitos milenares arraigados nas teologias sistemáticas das múltiplas agremiações religiosas?

É algo que tem causado "espécie" no meio religioso. Cito como exemplo as recentes pesquisas dando conta de que os cérebros dos homossexuais são diferentes daquilo que se supunha. Como conviver religiosamente com resultados científicos assim?

Enéias Teles Borges
Postagem original: 04/07/2008

sábado, 9 de julho de 2011

Frases engraçadas e divertidas retiradas de boletins de igrejas para membros




Frases reais, retiradas de boletins de igrejas:


a) "No estudo desta noite nosso pastor trará a mensagem intitulada 'o que é o inferno' venha mais cedo e assista ao ensaio do coral."

b) "Teremos sorvetada na igreja próximo sábado, as irmãs que forem doar leite cheguem mais cedo."

c) "Para aquelas irmãs que têm filhos e não sabem o berçário fica no segundo andar"

d) "Após a feijoada do próximo sábado teremos um período de meditação."

e) "Os adolescentes apresentarão no dia 1º uma peça de Shakespeare. Venha assistir a esta tragédia."

f) "A irmã Laura agradece a todos os muitos irmãos que contribuíram para que finalmente ela engravidasse. Foi muito difícil, foi uma luta. Sem suas orações..."

g) "A irmã Zilda estará distribuindo Bíblias na favela na próxima terça. O diabo que se cuide."

h) "Precisamos orar intensamente pelo problema de saúde da irmã Cândida. Não tem Cristo que resolva."

i) "Os irmãos e irmãs que não sabem ler devem devolver os boletins da igreja no final do culto, assim que já tiverem usado."

j) "O novo zelador é o irmão Manuel. Não é casado, mas faz tudo que os outros mandam."

k) "O pastor viajou para o enterro da mãe do irmão Paulo. No culto cantaremos Ouve-se o Júbilo de Todos os Povos."

l) "O diácono irmão Zaqueu convida os homens da igreja para no próximo sábado podarem as árvores."

m) "A todos os irmãos que doaram alimentos à família da irmã Lurdes a igreja agradece, ela morreu em paz."


n) "Convidamos a todos para possessão do nosso novo pastor no dia 25. Traga convidados para assistirem."


(Ministério Avivamento Pleno)

Nota:
É rir, para não chorar...

Enéias Teles Borges

Deus está com saudades?

Por Cleiton Heredia

Quero compartilhar com os leitores deste blog algo que me ocorreu quando estive de férias em Natal (RN).

Estava eu, juntamente com a minha esposa, almoçando no restaurante do hotel, quando aproximou-se de nossa mesa o nosso atencioso guia e agente de viagens, Humberto Collaço. Ele nos fez algumas perguntas de praxe para verificar se estávamos sendo bem atendidos, e durante alguns poucos minutos conversamos sobre os pontos altos dos passeios que fizemos. De repente, ele virou para mim e olhando nos meus olhos disse: "A pessoa com que sonhei naquela noite foi você!"

Leia todo o texto em Saúde, Saber e Virtude.

Enéias Teles Borges

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Sobre a vida antes da morte...

Sobre a vida após a morte só há especulação. Talvez haja o mesmo que havia antes da vida: o inexistir e simplesmente isso. Sobre a vida antes da morte, alguma coisa se sabe. Sabe-se, por exemplo, que é efêmera. Diante da vastidão indescritível da eternidade, a vida que há, antes da morte, não chega a ser um grão de areia no universo. Nesse rápido jornadear humano só é possível anelar, desejar... Na vida antes da morte o que mais se anela é que haja vida depois da morte...

Quem sabe essa almejada vida, depois da morte, compense esse viver medíocre e fugaz, que chamamos de vida antes da morte...


Enéias Teles Borges
Postagem original: 18/05/2010

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Ato de coragem: trazer filho ao mundo...

O mundo de hoje é mais difícil, para nossos filhos, do que quando éramos adolescentes. A despeito da velocidade, conforto e aparente comodidade, tudo se tornou mais complexo – quando se sai da teoria para a prática. Uma das maiores dificuldades para a atual geração é a criação dos filhos. Trazer filho ao mundo hoje é, antes de ato de amor, um ato de coragem. Não será fácil oferecer ao filho nos dias vindouros, as condições que o mundo exige para uma sobrevivência digna. A densidade demográfica impressiona, o desemprego no mundo impressiona e a concentração de riqueza de um lado e a miséria de outro, também impressionam. É neste mundo que emerge que nossos filhos estão situados. Razão pela qual há que se ter coragem para trazer mais um vivente ao mundo.

Enéias Teles Borges

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails