segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O trigo e o joio

Quantas vezes ouvimos a alegoria do joio e do trigo, que crescem juntos mas que devem ser separados no momento oportuno? Quantas vezes ouvimos dizer que tentar arrancar o joio fora de hora poderá trazer prejuízo ao trigo, que seria arrancado junto?

Com o passar dos anos e observando diariamente que os cabelos estão ficando brancos, vamos notando certos detalhes que passam desapercebidos dos mais jovens e também das pessoas menos observadoras.

Afinal, o que é mais importante, a sobrevivência do trigo ou a destruição do joio? A teoria diz que o trigo é mais importante que o joio. Acredito que nesse ponto não há tanta controvérsia.

Quais as aplicações possíveis originárias dessa comparação joio x trigo?

Várias, mas destaco apenas uma.

Já notaram que a despeito das pessoas dizerem que priorizam o bem, dão muita ênfase ao mal? Notaram que os religiosos, em especial os carismáticos, para destacarem a obra de Deus enfatizam (muito) o poder do maligno? Notaram que apesar do amor ser considerado o mais sublime dom divino as pessoas destacam (demais) o julgamento (punição) de Deus?

Parece que todos consideram importante separar o joio do trigo e ao final colocam o joio em destaque, desconsiderando a importância do trigo.

Dizem isso da imprensa: “separam o joio do trigo e colocam o joio na primeira página...”

As pessoas que se dizem do bem não fazem igual? Não separam as virtudes das pessoas e salientam, veementemente, os defeitos?

Enéias Teles Borges
Postagem original: 28/04/2008
-

Um comentário:

Carlos H. Barth disse...

Enéias,

O homem não sozinho dificilmente consegue conceber a essência das coisas (aquilo que elas são), mas sim delimitar o que elas não são. Um peixe do oceano só consegue discernir o que é a água quando sobe para a superfície e olha para fora.

Na mesma linha de raciocínio: O que seria do Super-homem sem o Lex-Luthor? Do Batman sem o Coringa? De Davi sem Golias? O poder benígno de um é determinado pelo poder maligno de seu antagonista. Super-homem salvado gatinhos em uma árvore? Qualquer bombeiro faz isso. Como demonstrar o verdadeiro poder de um ente então? Dê-lhe um inimigo a altura. Sem o antagonista, o herói deixa de ser herói e deixa de ser necessário.

Aliás, se não fosse o diabo, deus nos ajudaria contra o quê mesmo?

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails