sábado, 11 de dezembro de 2010

O apedeuta e suas escolhas

Hoje eu fiquei pensando na ciência de outros tempos e também na religiosidade do passado. Com base no que dispunham e imaginavam, faziam seus discursos. No passado quem diria que a terra era "redonda"? Pensando na ignorância (do passado), em razão da pouca informação ou da pouca busca de conhecimento, surgiu-me uma palavra bonita (apedeuta), mas que não é muito agradável quando aplicada às pessoas. Será que no futuro pensarão de nós como temos pensado acerca dos nossos antepassados?

Sobre a palavra bonita: apedeuta

O apedeuta tem condições de escolher? Um apedeuta, diante de muitas opções, escolhe uma ou abraça a que está mais perto? Como escolher sem ter discernimento? Escolha ou circunstância? No mundo religioso existem apedeutas? E no mundo dos que se dizem ateus? Claro, sem qualquer dúvida. Escolheram alguma coisa? Abraçaram o que estava mais perto?

Pergunto: existem mais apedeutas entre os teístas ou entre os ateístas?

Dicionário Michaelis: apedeuta, a.pe.deu.ta, s m+f (gr apaídeutos); (1) Pessoa ignorante. (2) Indivíduo sem instrução.

Enéias Teles Borges
Postagem original: 29/06/2010
-

5 comentários:

vidalvidal disse...

Não há dúvidas de que há mais apedeutas na religião do que no ateísmo. E é interessante tocar nesse assunto. Semana passada eu estava conversando sobre isso com um colega agnóstico aqui em casa.

Só pelo fato do cérebro de um religioso desligar-se na frente de um líder religioso, já nos dar ao entender que eles aceitam fácil qualquer mentira [http://goo.gl/eYUq - seria interessante também para um post seu]. Eu, quando recebo alguma notícia ou informação qualquer, faço cautela quanto ao que ouvi. Não aceito como verdade. Prefiro pesquisar antes de tomar uma posição qualquer.

Para não se tornar uma pessoa apedeuta, o mais útil a se fazer é analisar suas ideologias e também analisar as outras antes de tomar alguma conclusão. Eu conheço muita gente que já leu o livro "O delírio de Dawkins" sem nunca ter lido um artigo se quer - imagine um livro - de Dawkins e também nunca viram o debate dele com o autor do livro contra ele - Alister McGrath. Enfim, esse foi um exemplo, mas existem muitos outros também.

E para completar: Apedeuta não é só o ateu ou o teísta. O agnóstico também consegue ser apedeuta. Quando ele vive num mundo onde quase todos falam que deus fez o mundo, e ele aceita isso, mesmo não sendo o daquela religião, ele é um apedeuta. Por quê?

Por que tem que ser um deus? Só porque os outros dizem que é? Apedeuta detectado [...]

CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

Vidalvidal,

No que tange ao agnosticismo, como o entendo, deixei de colocá-lo junto com o teísmo e ateísmo por uma razão: para que não seja interpretrado que eu entenda o agnosticismo como meio-termo entre o teísmo e o ateísmo. Não há objetivo de postar o agnóstico num grau superior ou inferior.

Grato pela visita.

Eduardo Medeiros disse...

Enéias, os simples, possuem uma abertura maior ao religioso. Um ateu quase sempre é um intelectual ou pseudo-intelectual. Para negar O sentimento religioso é preciso endurecer o coração com a racionalidade radical, o que para mim, não deixa de ser uma "ignorância", pois porque matar a dimensão espiritual que nós é tão evidente?

abraço

abraços

Altamirando Macedo disse...

Enéias,existem apedeutas (maioria) entre os teístas.Para ser ateu necessita antes, não ser apedeuta.
Eduardo medeiros, o ateu não é´, necessariamente, um intelectual. Basta ter o cérebro funcionando e não o endurecimento do coração. Ou então faça como o Vidalvidal, desconfie.

Paulinha disse...

AMIGO,

Geralmente o ateu enaltece um teor de sabedoria e razão, duas coisas que estão meio ocultas no coração da pessoa religiosa-fanática...que se deixam envolver emocionalmente, o tempo todo.

Mas não quer dizer que a ignorância estará sempre lado-a-lado do religioso, e afastada do ateu.

Tudo é relativo...e o que vale é lembrar, que existe alguém mais sábio que nós. O mundo é prova de sabedoria.

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails