segunda-feira, 3 de agosto de 2009

A dor é uma bênção?

Lembro-me que aprendi, na faculdade de Teologia, a tentar mostrar para a membresia o lado bom de tudo, até mesmo da dor. Preparei e preguei um sermão, à época, versando sobre a dor. Eu dizia que deveríamos ser gratos pela dor, pois ela funcionava como um aviso de que algo não estava bem. Imaginem, eu pregava, machucar-se e não sentir dor. Nem notaríamos, na maioria dos casos, a gravidade de um eventual problema. Graças à dor podemos nos cuidar...

Até tinha lá o seu sentido, mas...

Ando sentindo tantas dores nas costas que nem mesmo o carro, com câmbio automático tem ajudado. É algo congênito. As dores estão se estendendo e chegam ao pescoço, como se fossem um eterno torcicolo. Dormir tem sido complicado. Remédios: a maioria não promove efeitos. Fazer alongamentos e tratamentos demorados? Como e quando? Tentei fazer uma tal de RPG (reestruturação postural global). Não adiantou nada e ainda me fez sentir no mundo do ridículo!

As dores que tenho sentido não têm sido um aviso "bom". São demonstrativos dolorosos de que estou cada menos novo ou mais velho. Homem velho cada dia sente uma dor nova. No meu caso nem é dor nova e sim uma dor constante e renovável...

Não sei se eu conseguiria pregar aquele sermão de novo. É provável que eu sentiria tantas dores nas costas, durante a pregação, que o sermão se tornaria uma incoerência brutal! Isso se eu não tivesse que terminar de pregar sentado, com as costas amparadas...

Posso afirmar: no meu caso a dor não está se mostrando uma bênção. A menos que eu resolva praticar uma cultura religiosa revestida de masoquismo!

Enéias Teles Borges

6 comentários:

Cleiton Heredia disse...

Amigo,

Devido à nossa idade e devido à atividade profissional um tanto quanto sedentária que desenvolvemos diariamente, o alongamento é uma atividade imprecindível.

O RPG que você fez é um dos melhores exercícios que conheço para tais problemas. Acontece que ele não funciona como Doril (tomou, passou!). Os resultados são a longo prazo, porém com efeitos muito mais duradouros.

Porém, jamais faria alongamentos ou sessões de RPG sem antes consultar um especialista (ortopedista) para ver se seria a melhor indicação para o seu caso (tem gente que acaba piorando o problema).

Dica: A cada 50 minutos sentado, digitando ou lendo, levante e dê um pequeno intervalo de 3 minutos para se espreguiçar, fazer alguns movimentos suaves de relaxamento muscular e caminhar um pouco respirando profundamente.

Altamirando Macedo disse...

Há uma lei natural que rege esta sequencia; tudo o que nasce, cresce, envelhece e morre.Nos alegramos com os acontecimentos após o nascer mas não aceitamos as premiações durante o envelhecer. Tenho 60 e já estou sendo premiado também com um agravante, a obesidade.É o ÔNUS.

A arte de ter razão disse...

Enéias,

O Dida, meu sócio, fez por algum tempo RPG. O cara já não conseguia nem sentar direito. Depois de algumas sessões ele já estava melhor e hoje, sarado. O Cleiton tem razão quando diz que vale a pena persistir.

trevis_1990 disse...

a idade facilita o aparecimento de problemas....mas também não vamos culpá-la por tudo...
obesidade e problemas na coluna não é culpa da idade e sim do estilo de vida...
queria o que? ter uma vida sedentária e sem cuidados na alimentação e envelhecer (ou melhor, viver) sem nenhum tipo de problema?
conheço poucos que conseguiram isso...

Ravick disse...

Bom, por casos assim é que não classifico as coias como boas ou ruins: elas apenas existem... se "benção" ou não, é algo relativo.

Altamirando Macedo disse...

A partir da infancia,aprendemos a apreciar esportes,comidas e vícios que não serão permitidos na terceira idade(a minha).O que fazer? Abdicar dos meus sabores, dos meus cheiros e das minhas preguiças? Não. Vou levar o farelo do mesmo jeito e a morte não vai querer saber se meu corpo é sarado, nem da qualidade dos meus órgãos.

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails