segunda-feira, 27 de junho de 2011

Colônia de férias para ateus

Uma colônia de férias de verão britânica está oferecendo uma experiência pouco comum para jovens de sete a 17 anos. A iniciativa promove uma "alternativa sem Deus", em oposição a acampamentos de verão mais tradicionais administrados por grupos religiosos.

Algumas das 24 crianças que chegaram ao acampamento Camp Quest, na cidade de Bruton, sudoeste da Inglaterra, pareciam jovens demais para lidar com conceitos tão amplos e complexos como religião e Deus.

A colônia de férias tem uma missão ambiciosa. Ela é "dedicada a melhorar a condição humana através de questionamento racional, pensamentos críticos e criativos, e método científico [...] e pela separação entre religião e governo".

O objetivo mais imediato, segundo os diretores, é ensinar cooperação, tolerância e empatia, através de atividades esportivas e brincadeiras. Mas são as visões sobre algumas questões mais complexas da vida que a distingue das demais, sobretudo o tratamento da religião.

"Se as crianças se depararem com uma questão como criacionismo, por exemplo, nós discutiríamos às evidências. Nós não diríamos 'Criacionismo é bobagem', se elas pesarem os fatos e pensarem que isso não é verdade."

"Os participantes aprendem que o comportamento ético não depende de crença religiosa e doutrinas, que essas são às vezes um obstáculo para o comportamento moral e ético, que pessoas sem religião também são boas e totalmente capazes de viver uma vida feliz e cheia de significado", afirma o site do acampamento na internet.

A diretora da colônia de férias, Samantha Stein, afirma que as crianças são estimuladas a pensarem de forma independente.

"Se as crianças se depararem com uma questão como criacionismo, por exemplo, nós discutiríamos as evidências. Nós não diríamos 'Criacionismo é bobagem', diz a diretora.

O pai de uma das participantes do acampamento ateu disse que já levou sua filha a outros acampamentos cristãos e que estava em busca de uma experiência mais ampla para a criança.

Leeroy Murray, pai de três meninos em Camp Quest, disse que não descartaria mandá-los a um acampamento religioso.

"A coisa mais importante para mim aqui é dar para eles uma variedade de experiências e estimular que eles entendam o máximo possível de religiões e de ciências, e dar a eles as ferramentas para que decidam por conta própria o rumo que querem seguir", disse Murray.

Os filhos de Leeroy parecem mais preocupados com os aspectos menos filosóficos do acampamento.

"Eu quero fazer novos amigos, encontrar novas pessoas e fazer todas as atividades preparadas para nós", disse um dos filhos, de 9 anos.

"Eu gosto das atividades porque elas melhoram a sua saúde e fazem com que você esteja em forma", disse outro filho, de 8 anos.

'Unicórnio invisível'

Além das atividades esportivas, algumas brincadeiras procuram tratar de questões mais profundas.

A principal atividade "científica" do acampamento consiste em uma busca a dois unicórnios invisíveis.

Os instrutores dizem aos jovens que os unicórnios não podem ser vistos, provados, cheirados ou tocados. Eles também não conseguem fugir do acampamento e não se alimentam de nada.

A única prova da sua existência, segundo os instrutores, está contida em um livro muito antigo repassado por "inúmeras gerações".

Um prêmio de 10 libras (cerca de R$ 30) é oferecido a qualquer criança que conseguir provar que os unicórnios não existem.

Fora do acampamento, no portão de entrada, um solitário manifestante protesta contra o acampamento. Paul Arblaster, membro de uma igreja local, segura cartazes com mensagens críticas ao Camp Quest. Ele protesta também contra o exercício dos unicórnios.

"É claro que eu acho que existe uma pegadinha aí. Eles podem dizer que o exercício dos unicórnios não tem nada a ver com Deus. Mas eu acho que é uma representação razoavelmente velada deste tipo de doutrina", disse o manifestante.

A diretora do acampamento rebate o argumento.

"O objetivo é fazer com que as crianças pensem sobre coisas como ônus da prova", diz Samantha Stein.

"Quem precisa provar que os unicórnios estão lá... é a pessoa que diz que eles estão ou é a pessoa que diz 'Não, eu acho que você não está certo'?"

O Camp Quest surgiu há 13 anos nos Estados Unidos, onde escoteiros e grupos religiosos são a maioria no mercado de acampamentos de verão – muito populares entre famílias americanas nas férias escolares. A versão britânica dura cinco dias e custa 275 libras (cerca de R$ 900).

Fonte: [BBC Brasil].

Nota: Eu já tinha lido esta reportagem e também alguns comentários de criacionistas. Um comentário me chamou a atenção: alguns criacionistas questionam esta atividade sob o argumento de que seria uma forma de "lavagem cerebral". Eu me pergunto: o que é lavagem cerebral? O que é feito nos contextos criacionistas o que seria? Não estou me postando ao lado de uma ou outra atitude, mas fico indignado com a falta de coerência, quando não se aceita que seja feito no lado ateu o mesmo que é feito no lado criacionista. 

Enéias Teles Borges
Publicação original:  23/08/2009

3 comentários:

Cleiton Heredia disse...

Muito interessante!

Isto irá reverberar no meu blog.

A arte de ter razão disse...

Enéias,

O religioso que te disse isso devia estar brincando, caso contrário, ele é que deveria ser enviado para uma colônia, só que psiquiatrica (rs).

Micha disse...

"We don't need no education..."
Essa postagem me fez lembrar do clipe do Pink Floyd, Another Brik in The Wall...
Trata mais ou menos da questão de realizar lavagem cerebral em crianças.
Um absurdo o protestante solitário!Quer dizer que se um ateu for lá no seu acampamento religioso e apresentar uma posição contrária, ele estaria errado? E é claro que há uma analogia entre o Deus Todo Poderoso e o Unicórnio...

Deveria existir esse tipo de colônia de férias aqui no Brasil...

MUITO BOM O POST!
=D

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails