domingo, 25 de julho de 2010

A fé religiosa e seus novos métodos

Para conseguir novos adeptos vale quase tudo. Vale, inclusive, lutas num ringue. A Igreja Apostólica Renascer em Cristo sabe como atrair "fiéis". Desta feita ela inovou. Ringue com lutas para chamar para a igreja pessoas que jamais iriam, desde que usados apenas os métodos convencionais. Para atrair pessoas para "Jesus" a referida igreja se serve do que considera conveniente. Digamos que sua maneira de pensar é bem simples e objetiva: "os fins justificam os meios".

Só mesmo lendo toda a reportagem para entender.

Igreja frequentada por Kaká organiza competição de lutas em São Paulo

Pastores da Renascer transformam torneio em grande culto para atrair novos fiéis; no octógono, xingamentos aos adversários estão proibidos

Luis Gustavo Rodrigues, o Buda, não vai à igreja. Aos 24 anos, o jovem paulista, morador do bairro de Vila Sílvia, na Zona Leste de São Paulo, trabalha em uma empresa de Tecnologia de Informação e se empenha, no tempo livre, nas aulas de artes marciais. Na noite da última sexta-feira, porém, ele foi até a sede de Osasco da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, que tem como um de seus mais ilustres fiéis o craque Kaká, do Real Madrid. O objetivo não era se converter. Convidado, ele ia disputar sua primeira luta profissional na categoria Muay Thai do Reborn Fight II, competição organizada por membros da congregação evangélica.

Buda confessa que estava nervoso no momento que subiu no ringue. Antes da luta, no entanto, um amigo puxou o grito de “Gordinho” e logo a maioria das quase mil pessoas que assistiam ao evento estava do seu lado. Incentivado, Luis se mostrou incansável e foi declarado vencedor moral do confronto, apesar do resultado oficial dos juízes ter sido o empate.

Depois da luta, o jovem posou para fotos com os amigos, foi cumprimentado pela torcida e dizia não acreditar no que tinha feito. “Ele tinha o braço pesado”, afirma, sobre o seu oponente. Buda diz não se importar com o fato de sua estreia nos ringues ter sido dentro de uma igreja. Ele diz não ser frequentador por causa das histórias que costuma ouvir, como a do casal fundador da Renascer, preso em 2007 nos Estados Unidos com US$ 56 mil não declarados. Mesmo assim, elogiou a organização do “Reborn Fight”.

- Achei muito bonito. Não venho por causa dos “esquemas” que a gente sabe que acontece. Mas isso aqui foi muito bacana. Tem uma estrutura muito boa – disse Luis, que conta com a ajuda de seus amigos de academia para poder treinar.

A estrutura montada para o evento realmente era impressionante. No centro do local onde são realizados os cultos da igreja, foi erguido um imenso ringue, com o padrão do octógono usado no UFC, maior competição de luta livre do mundo. No altar, um DJ tocava músicas eletrônicas para o público Esta foi a segunda vez que Osasco sediou um torneio de artes marciais da Renascer – a outra foi em fevereiro deste ano. No total, já foram nove edições.

Nesta sexta-feira, a escala de lutas contava com 26 nomes, entre homens e mulheres, mas uma atleta não compareceu. Apenas três lutadores eram membros da sede de Osasco. A grande maioria veio de outras congregações ou, então, não fazia parte da Igreja. Um dos organizadores do evento, o pastor Douglas Vieira, ou Dogão, como é conhecido, admite que o maior objetivo é atrair fiéis para a religião.

- Existem pessoas que nunca pisariam em uma igreja se não fosse pelo evento. A grande maioria vem pelo trabalho que a gente faz. E, depois, acaba ficando. Quem teve a ideia já era lutador. Então, está no sangue. É o desejo de usar a luta para rebanhar fiéis. Temos uma convocação agressiva no nosso nicho.

Para que a estratégia funcione, Dogão e outros membros da igreja, como o Bispo Kleber Falcone, transformam o evento em um imenso culto. Antes do início da competição, os dois reúnem os lutadores para fazer a chamada e uma oração, sempre pedindo o respeito entre eles. Depois, na apresentação em cima do ringue, o pastor faz uma nova pregação, desta vez convocando o público. Pede para que todos tenham calma e que os ânimos se esquentem apenas sobre o tatame. O pedido é para que não aconteça o que é comum nos eventos de luta livre ao redor do mundo, com brigas entre as torcidas.
 
Ingressos a R$ 15 e patrocinadores prestigiados

Para assistir o evento, cada pessoa paga R$ 15. Dogão explica que o objetivo não é arrecadar dinheiro para a Igreja, mas arcar com todos os gastos da estrutura. Para isso, também conta com uma série de patrocinadores, que são chamados após o término de cada luta para entregarem os troféus ao vencedor e ao perdedor do combate.

Além do prêmio, cada lutador recebe uma quantia simbólica em dinheiro, não revelada pelo pastor. No ringue, estão proibidos xingamentos e ofensas aos adversários. Ao contrário das lutas oficiais, na categoria MMA (artes marciais mixadas, em inglês), também não são permitidos socos no rosto quando o rival estiver caído no chão, nem cotoveladas

Os organizadores garantem que não costuma haver casos de lutadores da igreja envolvidos em brigas nas ruas. Para o Bispo Kleber, a filosofia ensinada nas artes marciais é posta em prática também na vida particular de cada um de seus atletas.

- Nós pregamos a consciência, tanto fora quanto dentro do ringue. Não tem nada a ver essa imagem que as pessoas têm de que o lutador é um “bad boy”. A filosofia é outra. No esporte, assim como na vida, temos que ter disciplina, respeito e outros valores. O espírito daqui consegue ligar o esporte à igreja. A luta é muito desvalorizada no Brasil, apesar de o país ser um de seus grandes incentivadores, através da Família Gracie. Falta consciência. A luta pode salvar muita gente. É respeito, não exige nada de violência. Quer brigar, não vai fazer na rua, vai fazer no tatame.

Membro da igreja na sede de Alphaville, Jorge Luis Bezerra, o Michelan, foi um dos que encontraram na luta uma forma de sair da marginalidade. Depois de seu combate, do qual saiu perdedor, o lutador pediu a palavra no ringue e, em uma espécie de testemunho de vida, declarou ter sido usuário de drogas, mas disse que hoje estava bem. Com o filho Levi, de 1 ano e quatro meses, nos braços, ele elogiou a iniciativa do evento.

- O objetivo não é arrecadar dinheiro. Muita gente critica sem saber. Nosso objetivo é Deus, é resgatar essas vidas para Cristo. É um esporte impactante para quem não conhece as regras, mas quem passa a conhecer, vê que não é assim – disse Michelin, que, além do filho, levou a mulher para vê-lo no ringue.

Damaris Batista, a Gringa, foi uma das quatro mulheres inscritas na competição. É também uma das maiores defensoras do ensino de lutas na igreja.

- Antes, meu paradigma era rígido quanto à igreja. Depois, percebi que não era assim. Quando a gente não cuida do templo, vai contra as regras de Deus. As pessoas olham para mim e criticam por ser lutadora. Mas, quando dou meu testemunho de vida, as pessoas querem fazer igual a mim.

O Pastor Dogão, no entanto, confessa que a ideia não foi bem aceita pelos membros de início. Agora, porém, afirma que todos elogiam, tanto que já está previsto um novo “Reborn Fight”, para fevereiro do ano que vem.

- Um ou outro estranhou no início. Mas é um esporte que está ganhando espaço no mundo inteiro. Tem gente que acha diferente, mas o que importa é ganhar vidas para Jesus Cristo. Quando perceberam isso, aceitaram bem.


Nota: É o vale-tudo da fé cega e da faca amolada (FCFA). No caso em tela estamos diante de uma instituição de excelente marketing. Podemos contestar a ética que envolve tudo isso, mas precisamos admitir a sua eficiência em conseguir o resultado final, independentemente dos meios utilizados. É por essas e outras que a questão da prática, tida por religiosa no Brasil, está cada dia mais enojante. Causa asco!

enéias teles borges
-

Um comentário:

Digi-Alchemist disse...

É verdade...

Eu ouvi certa vez que isso acontecia nos Estados unidos. Mas no Brasil?

Só digo uma coisa: coisa por coisa, digo que dois mil e doze está mais perto da gente do que da minha avó quando minha mãe nasceu...

^^

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails