terça-feira, 27 de maio de 2008

Sobrevivendo no trânsito paulistano

“É fácil manter quieto o que está em descanso; é fácil prevenir o que ainda não sucedeu; é fácil partir o que é fraco e fácil espalhar o que é escasso: portanto, combate o mal antes que ele comece.” (Lau-Tseu)

A frase popular “é melhor prevenir do que remediar” calha com o pensamento acima e vem, de forma proposital, nesse texto, chamar a atenção das pessoas para o recrudescimento de um sintoma violentíssimo que campeia a cidade de São Paulo. A escalada da violência no trânsito.

Com a concretização do caos no trânsito paulista é natural que a impaciência tome conta dos motoristas. Em qualquer dia, em qualquer trajeto e em qualquer horário é impossível não sofrer com os engarrafamentos gigantescos da metrópole.

O povo até que tenta conviver com isso. Liga o som e ouve música. Procura esquecer que está ali, no olho do furacão. Mas a paciência está se esgotando dia após dia.

Quais (tem sido) os noticiários comuns? “Motorista é baleado após acidente de trânsito”. “Vítima morre e o agressor foge”. “Homem é ferido em briga de trânsito”. “Mulher dirige quilômetros na contramão”. E por aí vai...

Combater o mal aqui não é fugir do trânsito (impossível!) e sim ficar cada dia mais preparado para ele. Evitar, a todo custo, discutir nas ruas entupidas de carros. Esforçar-se para ser cordial. Isso mesmo! Cordialidade! E pode ser simplesmente deixando o veículo ao lado manobrar, entrar na frente, ceder passagem...

A cada dia o cidadão é provado – duro teste! Sair de casa é uma aventura. Voltar para casa é uma necessidade. Sobreviver é o mais importante. É difícil? Sim, claro que é. Mas com a prevenção fica menos pior...
.

4 comentários:

Cleiton Heredia disse...

Este texto veio a calhar, pois justamente hoje, na vinda para o trabalho, me meti numa "corriqueira" briga de trânsito. Fechei alguém por descuido e fui fechado na sequência como represália. Estando com o saco cheio devido a inúmeros problemas pessoais que povoavam minha conturbada mente naquele momento, saí para uma ofenciva insana e a coisa só não acabou em tragédia porque a outra parte acabou recuando.

Sim, admito! Sou mais um louco no meio de tantos outros neste trânsito caótico, e sei também que você está corretíssimo em seu chamado a racionalidade e cordialidade dentre o caos instaurado pelas vias desta cidade.

Mudanças são necessárias não no trânsito, mas em mim. O difícil é escapar deste círculo vicioso: fico nervoso por causa do trânsito e isto acaba complicando meu estado de espírito que já não é bom devido aos problemas do dia a dia, que por sua vez são descarregados no trânsito.

Haja paciência e resignação!!!

Ricardo Cluk disse...

Em São Paulo uma das melhores estratégias para vencer o trânsito é trabalhar, estudar e desenvolver as demais atividades do dia-a-dia o mais próximo possível de onde se mora.

A Prefeitura deveria oferecer um curso gratuito de logística (rs) para todo morador dessa cidade.

Ebenézer disse...

Está cada dia mais difícil. Mas, pior que o hoje é a expectativa do amanhã. Como já dizia alguém: "nada há ruim que não possa ser pior".

Alternativas não há. Às vezes uso o metrô e o trenzinho espanhol. Amanhã, por exemplo, estarei dentro neles. Que sufoco! 517 pessoas por metro quadrado: falta espaço, falta ar, falta educação; sobra desconforto, grosseria, reclamações e lamentações. É um expresso para o inferno, que faz o trânsito moroso de São Paulo parecer um paraíso.

Cleiton Heredia disse...

he, he...
Expresso para o inferno, não. Ali já é o inferno!

Textos Relacionados

Related Posts with Thumbnails